Como os Profissionais de Educação Física podem ajudar na medicina do estilo de vida

Deixe um comentário / Saúde Integral / Por humanaacademy

Flávia Carvalho Márcio Marega

Os Profissionais de Educação estão em uma posição única para ajudar as pessoas a melhorarem sua saúde e qualidade de vida. Esses profissionais desfrutam de um tempo importante em companhia dos seus clientes/ alunos, os conhecem e possuem uma compreensão maior das demandas e hábitos de saúde e bem-estar / exercícios e esportes. Se alguma profissão está equipada para oferecer caminhos que possam conduzir à jornada do bem-estar e estilo de vida saudável, essa profissão é a do Profissional de Educação Física. Olhando para fora do domínio das aulas/ atendimento tradicional de seção de treino – prescrição de treino – ou ginástica, há muitas oportunidades para os profissionais de educação física se envolverem com os conceitos da medicina do estilo de vida e trabalharem para a prevenção de doenças e promoção de saúde em vez de apenas para a estética e performance, pois somos profissionais da saúde e é fundamental que tenhamos conhecimento e ferramentas para educar e transformar nossa sociedade. Vivemos um momento bastante desafiador no que se refere a saúde física e mental da população. Cada vez mais jovens chegam à idade adulta com doenças relacionadas à obesidade como diabetes tipo II, hipertensão e hipercolesterolemia, problemas relacionados a saúde mental vem aumentando ano a ano e com isso os riscos à saúde geral e qualidade de vida, nunca houve uma necessidade maior da sociedade pelos serviços do Profissional de Educação Física. Nesse sentido, a seguir estão algumas novas habilidades da educação física que seriam benéficas para ajudar os indivíduos a administrarem sua saúde.

Compreender melhor as exigências da vida e aptidões de um indivíduo

Os Profissionais de Educação Física estarão mais bem preparados para aconselharem os estudantes e clientes sobre suas metas de saúde e condicionamento físico se entenderem a importância do seu conhecimento no que tange os conceitos de estilo de vida. Em algumas áreas, como a da performance, as exigências são óbvias e o atleta se beneficiará dos conselhos de um profissional que compreende toda a dinâmica de funcionamento do organismo do indivíduo treinado, mas e no mundo comum, do trabalhador de escritório, onde seus hábitos normalmente são mais sedentários? Ao lidar com esse perfil de pessoas é de suma importância conhecer todas as condições internas e externas – saúde física e mental e ambiente expositivo – a fim de direcionar seu cliente para uma condição possível e ótima de saúde. Sendo assim, o Profissional de Educação Física deve estar atento a todos os aspectos que envolvem o comportamento e estilo de vida do seu cliente / aluno / paciente a fim de melhor orientá-lo sobre aspectos importantes da promoção de saúde e prevenção de doenças. 

Um programa de exercício eficaz baseado em seu estilo de vida

Nem todo exercício é elaborado e prescrito da mesma forma. É provável a adesão a um programa de exercícios se encontrarmos atividades que nos agradam e sentirmos que os benefícios superam as barreiras. Isso indica que precisamos encontrar um programa de exercícios que compactua com o nosso estilo de vida e não apenas que permeia nossa rotina. Enquanto muitas pessoas preferem ir à academia, outras escolhem se exercitar ao ar livre. O mais importante ao conduzir as pessoas a encontrarem um programa de exercícios que as façam felizes, que façam sentido, é identificar estratégias e esforços que sejam sinérgicos e complementares, levando-se em conta os determinantes, a individualização e o prazer com essas atividades, que sejam bem orquestradas para serem efetivas. Dependendo dos objetivos de promoção de saúde e/ou condicionamento físico de seu cliente, haverá uma gama enorme de variantes a serem consideradas ao construir um programa de exercícios. 

Algumas considerações podem incluir fatores pessoais, fatores relativos e outros (fonte: livro Manual de Atividades Físicas para Prevenção de doenças – Elsevier) Parece óbvio, mas é muito comum essa inversão e o profissional prescrever o que entende ser o melhor para o cliente/aluno e essa prescrição pode não fazer sentido ou/e não criar o vínculo prazeroso com a atividade física, exercício e um estilo de vida ativo.

Orientar sobre nutrição, sono e outros comportamentos para apoiar o estilo de vida saudável

Uma dieta saudável é a chave para uma boa saúde, quer um indivíduo esteja ativo ou não. Entretanto, quando somos mais ativos, nossos corpos necessitam de mais nutrientes para reparar e suportar o metabolismo mais elevado. Embora existam muitas maneiras diferentes de comer saudável, incluindo as dietas vegetariana e vegana, as dietas paleo e a dieta mediterrânea, todas essas dietas têm uma coisa em comum: elas enfatizam a importância de comer comida de verdade. Embora existam muitas dietas diferentes por aí, o que as une é o fato de serem principalmente baseadas em alimentos mais próximos do natural possível. O exercício físico também é uma importante intervenção não farmacológica para a melhora da qualidade do sono. Diversos estudos epidemiológicos descrevem que pessoas fisicamente ativas possuem menos queixas relativas ao sono, melhora na qualidade, redução da sonolência e da fadiga diurna.  Os benefícios da atividade física e de um estilo de vida saudável, superam em muito o risco de lesões e/ou problemas cardíacos, duas preocupações que impedem as pessoas de se tornarem fisicamente ativas, associar os exercícios a uma condição ótima de hábitos saudáveis parece ser a grande chave para adicionarmos qualidade aos anos de nossas vidas.

Maneiras de tornar seu ambiente mais propício ao exercício, determinantes e hábitos saudáveis

Realizar atividade física no mundo contemporâneo, reagindo às pressões do urbanismo e das formas atuais de trabalho, é um grande desafio. O conhecimento dos determinantes da atividade física regular é uma condição importante para o desenvolvimento de programas efetivos para encorajar o engajamento de todos os segmentos da população em atividade física. Determinantes favorecem ou dificultam – barreiras – a adoção de hábitos relativos à atividade física.

O potencial que há na saúde pública para a atividade física e para o exercício somente poderá ser cumprido, ou atingido, se os determinantes comportamentais forem corretamente identificados e, consequentemente, gerenciados. Estes determinantes não são ainda completamente conhecidos e podem até sobrepor-se entre si. Porém, são importantes para o conhecimento não somente do perfil dos indivíduos no que diz respeito à atividade física, porém igualmente das populações alvo.

Em geral, esses determinantes são categorizados priorizando-se:

I. As características do indivíduo e seus hábitos de vida e seu estilo de vida;

II. As características do ambiente;

III. As características da atividade;

A abordagem dos determinantes permite identificar e organizar áreas que contenham um amplo número dos mesmos, os quais contribuem para a participação em programas de atividade física. O reconhecimento destas áreas pode ajudar a caracterizar segmentos da população e importantes variáveis para futuras intervenções focadas.

Intervenções efetivas deverão considerar aspectos abstratos (por exemplo, crenças) assim como aspectos concretos (por exemplo, incapacidade física ou ambiente físico apropriado), assim como os determinantes, para que sejam abordados complementarmente com a finalidade de:

 

    1.  Compensar ou reduzir as barreiras psicológicas, ou físicas e ambientais à atividade física;

    1.  Fornecer conhecimento, habilidades e reforço que aumentem a vontade e a habilidade de tornar-se ativo;

    1.  Permitir a seleção de tipos e de intensidades apropriadas de atividade física. Às recomendações está subjacente a necessidade de integração dos esforços da epidemiologia, da medicina comportamental, da psicologia da saúde e da ciência do exercício sob o mesmo objetivo da saúde pública, a redução do sedentarismo. (FONTE: Livro Prescrição de Atividades Físicas para a prevenção de doenças).

Conclusão

Os Profissionais de Educação Física  estão em uma posição única para auxiliar as pessoas a melhorarem sua saúde física e mental. Eles passam um período importante com seus  clientes/alunos, conhecem-nos e possuem uma compreensão das exigências necessárias e particulares para a prática de atividades físicas, exercícios e de um estilo de vida ativo e saudável.

Hoje o setor de atividade física se encontra perante uma de suas maiores crises da história (senão a maior), mas também diante da maior oportunidade. A necessidade de transformações são claras e surgem de diferentes fatores como:  a crescente busca por saúde e bem-estar dos clientes, novas leis que já colocam o setor como promotor de saúde e as grandes mudanças das academias perante o exponencial crescimento das academias low cost, dos novos centros de bem-estar e das movimentações de grandes players do mercado da Promoção de saúde e qualidade de vida. Diante de tudo isso, o novo Profissional de Educação Física –  PRECISA ABRAÇAR o BEM-ESTAR  e ser o verdadeiro exército desse mercado precisamos de um reposicionamento. Emerge então, a necessidade de atualização desse profissional para torná-lo verdadeiramente um protagonista da promoção de saúde e bem-estar. 

2 respostas para “Como os Profissionais de Educação Física podem ajudar na medicina do estilo de vida”

  1. Excelente texto Flávia!
    Com o número cada vez maior de pessoas diagnosticadas com alguma condição, precisamos voltar o nosso atendimento para promoção da saúde e bem estar para essa parcela da população.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *