Oportunidades e Estratégias na Ascensão da Economia do Bem-Estar – Uma Análise entre ‘Abraçando o Bem-Estar’ e o Novo Relatório da Global Wellness 2022

Por Flávia Carvalho

O novo relatório da Global Wellness 2022 sobre a Economia do Bem-Estar apresenta um panorama envolvente e promissor que abrange a área que atuo e exploro no  livro “Abraçando o Bem-Estar”. Esta convergência de conhecimento pode ser explorada para reforçar estratégias de gestão, comunicação e marketing no contexto do bem-estar e saúde.

Em “Abraçando o Bem-Estar”,  é abordada a importância de integrar hábitos e práticas saudáveis no cotidiano, promovendo uma mudança de estilo de vida. A obra destaca como a saúde mental e física são fundamentais para o equilíbrio e a qualidade de vida. Por outro lado, o novo relatório da Global Wellness Institute traz uma visão ampla sobre a economia do bem-estar, destacando seu crescimento notável, especialmente após o impacto da pandemia. Todo esse cenário teremos na feira BTFF 2023 em São Paulo, com uma arena voltada para saúde e bem-estar.

A Economia do Bem-Estar engloba várias indústrias e se mostra como um setor em ascensão, fornecendo oportunidades e impulsionando mudanças significativas nos mercados. O tamanho dessa economia ultrapassou US$5,6 trilhões em 2022 e a previsão é atingir US$8,5 trilhões até 2027. Esse crescimento é impulsionado pela adoção generalizada de atividades e práticas de bem-estar pelos consumidores em suas rotinas diárias.

Essa análise destaca não apenas o tamanho e a resiliência da economia do bem-estar após a pandemia, mas também seu potencial de crescimento nos próximos anos. Os dados revelam que regiões como América do Norte, Europa, Oriente Médio, América latina e África do Norte lideram nesse movimento de expansão, demonstrando a força e a demanda crescente por serviços e produtos relacionados ao bem-estar.

Essas informações são valiosas para entender e atender às necessidades do mercado. O aumento expressivo previsto na economia do bem-estar oferece oportunidades para estratégias inovadoras e direcionadas, permitindo a geração de valor e fidelização dos clientes por meio de abordagens alinhadas com as tendências e demandas emergentes.

A experiência em empreendedorismo e desenvolvimento humano, aliada a essas tendências e previsões, pode ser potencializada para a criação de metodologias e abordagens de gestão e comunicação que se alinhem a essa realidade crescente do mercado de bem-estar. Utilizar o  Método FC para transformar os resultados dos profissionais, otimizando tempo e qualidade, pode ser ainda mais valorizado e adaptado para essa crescente economia.

Em resumo, a intersecção entre as informações do livro “Abraçando o Bem-Estar” e o relatório da Global Wellness 2022 demonstra um panorama promissor, oferecendo insights valiosos para a criação e aprimoramento de estratégias eficazes e inovadoras, alinhadas com a demanda crescente por serviços e produtos relacionados ao bem-estar.

Profissionais de Exercício e Cuidados de Saúde: Uma Nova Era na Medicina Abraçando o Bem-Estar

Por: Flávia Carvalho

No dia 5 de maio de 2023, a Health Level Seven International (HL7), uma rede global de bases de dados de cuidados de saúde, tomou uma medida histórica ao aprovar formalmente um Guia de Implementação de Atividade Física. Esta decisão incorpora a atividade física como um sinal vital e abre portas para referências entre profissionais de exercícios e profissionais de saúde. Essa ação é um marco importante no esforço de estabelecer profissionais de exercício como parte essencial das equipes de saúde e tornar a atividade física um componente padrão na prestação de cuidados de saúde, princípios fundamentais da iniciativa global de saúde “Exercise is Medicine®” da Faculdade Americana de Medicina Esportiva (ACSM).

O Projeto Aliança Atividade Física (PAA) desempenhou um papel fundamental na elaboração do Guia de Implementação HL7 FHIR, o qual estabelece padrões para a avaliação, prescrição e encaminhamento da atividade física na área de saúde. Nos últimos 18 meses, o PAA tem colaborado com especialistas e organizações de nível de conselho, incluindo a ACSM/EIM, para criar esse guia inovador.

Em maio, o Guia de Implementação da Atividade Física passou por seu primeiro processo de votação HL7, marcando outro passo significativo em direção à sua implementação. O grupo de trabalho de especialistas agora está revisando os comentários recebidos e trabalhando para sua reconciliação, com a aprovação dos grupos de trabalho patrocinados pelo IG’s HL7 sendo necessária antes da publicação. A primeira versão do guia, prevista para o outono de 2023, será considerada um “padrão para uso experimental,” impulsionando a implementação e aceitação, e refinando o guia.

Conexão com os Pilares do Bem-Estar de Flávia Carvalho:

Saúde Mental: A atividade física não é apenas benéfica para a saúde física, mas também desempenha um papel fundamental na saúde mental. Ao incorporar a atividade física como um sinal vital, os profissionais de saúde podem promover o bem-estar emocional e mental de seus  clientes/pacientes. Isso está alinhado com o entendimento de que o bem-estar abraça a saúde mental, emocional e física.

Saúde Física: Exercício- O reconhecimento da atividade física como um sinal vital representa um avanço fundamental na promoção da saúde física. Através dessa iniciativa, profissionais de saúde e de exercício estão trabalhando juntos para garantir que a atividade física seja integrada nas práticas de cuidados de saúde, contribuindo para a melhoria da saúde física da população.

Nutrição Adequada: A nutrição e a atividade física estão intrinsecamente ligadas à saúde. Ao tornar a atividade física um componente padrão nos cuidados de saúde, também se reconhece a importância da nutrição adequada para um estilo de vida saudável. Isso está em sintonia com o conhecimento de que o bem-estar está profundamente relacionado com escolhas alimentares saudáveis.

Relacionamentos Interpessoais: A colaboração entre profissionais de saúde e de exercício destaca a importância das relações interpessoais na promoção do bem-estar. Trabalhar juntos para melhorar a saúde das pessoas demonstra como os relacionamentos interpessoais desempenham um papel vital no alcance de objetivos de bem-estar.

Desenvolvimento Pessoal e Profissional: A formalização do apoio do HL7 aprofunda a integração de profissionais de exercício como parte essencial da equipe de saúde. Isso não apenas promove o desenvolvimento profissional desses profissionais, mas também demonstra o compromisso com o desenvolvimento pessoal de pacientes, incentivando a prática de atividade física.

Equilíbrio Trabalho-Vida: A inclusão da atividade física como um sinal vital em cuidados de saúde também aborda a importância do equilíbrio entre trabalho e vida. Promover a atividade física como parte do atendimento à saúde ajuda a equilibrar as demandas do estilo de vida moderno com a necessidade de manter uma vida saudável e ativa.

O marco histórico da inclusão da atividade física como um sinal vital nos cuidados de saúde é uma manifestação tangível do abraço ao bem-estar de Flávia Carvalho. Este desenvolvimento está alinhado com os pilares fundamentais do bem-estar e marca um passo significativo em direção a um futuro mais saudável e equilibrado.

Pronto para se juntar a essa rebelião do bem-estar? Saiba mais sobre como a atividade física pode transformar sua saúde e bem-estar. Não espere, comece hoje!

Saúde Mental, Saúde Física e Bem-Estar: Uma Abordagem integral

Por: Flávia Carvalho

Nesse mundo em constante transformação, a busca pelo bem-estar se tornou a grande obsessão de nossa era. Imagine um mercado global do bem-estar avaliado em espantosos US$ 4,5 trilhões em 2019, uma cifra que não para de crescer. Mas aqui está o segredo: essa busca pelo bem-estar não se trata apenas de cuidar do corpo, é um mergulho profundo em nossa mente e emoções. Afinal, bem-estar é um conceito que envolve muito mais do que músculos e dietas. Vamos explorar essa jornada que vai muito além da superfície.

Um estudo recente conduzido por Tyler VanderWeele, professor na Harvard T.H. Chan School of Public Health, trouxe à tona uma distinção importante entre a solidão e o isolamento social. Embora esses dois problemas muitas vezes estejam interligados, eles têm diferentes impactos, principalmente em relação à saúde mental e física.

O estudo revelou que o isolamento social, definido objetivamente como o tempo gasto com outras pessoas ou comunidades, está diretamente ligado a riscos significativos para a saúde física. Por exemplo, os indivíduos socialmente isolados têm cerca de 75% a mais de chances de morrer. Isso destaca a importância crítica de manter conexões sociais para a saúde do corpo.

Por outro lado, a solidão, o aspecto subjetivo da falta de conexão social, tem um impacto maior na saúde mental. Aqueles que experimentam solidão têm uma probabilidade substancialmente maior de desenvolver depressão, desesperança e uma sensação de falta de propósito na vida.

Embora a solidão e o isolamento social estejam frequentemente correlacionados, o estudo também revela que essa correlação não é perfeita. Algumas pessoas podem estar socialmente isoladas, mas não se sentem solitárias, enquanto outras podem passar muito tempo com os outros, mas ainda se sentem solitárias.

O estudo de VanderWeele destaca a importância de abordar tanto a solidão quanto o isolamento social em nossas intervenções. Entendendo que  para a solidão, a terapia cognitivo-comportamental  pode ser uma intervenção eficaz, enquanto o isolamento social pode ser tratado por meio da construção de comunidades e garantindo que as pessoas se conectem regularmente.

O estudo também nos faz refletir sobre a sociedade em que vivemos. Nos Estados Unidos, as taxas de solidão e isolamento social aumentaram nas últimas décadas, refletindo uma tendência de declínio no envolvimento social e comunitário. Esse fenômeno levanta questões sobre o valor que atribuímos às relações e à comunidade em nossa cultura, em comparação com outras sociedades que valorizam mais essas conexões.

Tornando nesse mundo atual a  busca pelo bem-estar  uma prioridade, o estudo de VanderWeele nos lembra de que o bem-estar não é uma jornada a ser percorrida apenas focando em um aspecto. A verdadeira promoção do bem-estar requer uma abordagem integral que considere tanto a saúde mental quanto a física, e que valorize as conexões sociais e a comunidade como elementos essenciais desse caminho. Portanto, enquanto buscamos uma vida mais saudável e feliz, não devemos negligenciar o poder das relações humanas e do apoio social em nosso bem-estar geral.

Estes estudos enfatizam o imperativo de harmonizar nossa saúde mental e física, abraçando o bem-estar de forma integral e humanizada. Nossa jornada de busca pelo bem-estar é como uma trama, e cada conexão humana que fazemos ao longo do caminho enriquece essa história. Se você ficou intrigado por essa introdução, continue a explorar mais profundamente em nossos artigos do blog, onde desvendamos os segredos para uma vidafeliz, prazerosa e saudável, tanto mental quanto física. Vamos começar essa jornada juntos!

Descubra como a Comunicação pode Revolucionar seus Resultados e Bem-estar!

Por: Flávia Carvalho

A comunicação desempenha um papel fundamental em todos os aspectos de nossas vidas, especialmente na área da saúde. Quando se trata de atendimento consciente, assertivo, a maneira como nos comunicamos com os clientes/pacientes pode ter um impacto significativo nos resultados e no bem-estar deles. Nesse texto, iremos explorar como a comunicação efetiva, embasada em dados científicos da neurociência pode revolucionar seus resultados profissionais, contribuir para um ambiente de cuidado transformador e com resultados extraordinários.

Comunicação e Neurociência

A neurociência tem revelado insights fascinantes sobre como a comunicação afeta nosso cérebro e nossas interações sociais e como nossas emoções são comunicadas pelo nosso corpo. Estudos mostram que a empatia, a linguagem clara e a escuta ativa,  estimula áreas do cérebro associadas à compreensão, ao processamento emocional e à construção de relacionamentos. Ao se comunicar de maneira consciente e empática, você estará criando um ambiente propício para a confiança, a colaboração e a compreensão mútua.

Comunicação e Global Institute Wellness

O Global Institute Wellness, renomado centro de pesquisa e educação em saúde e bem-estar, destaca a importância da comunicação na promoção do cuidado humanizado. Suas pesquisas mostram que a comunicação adequada melhora a adesão ao tratamento, aumenta a satisfação do cliente/paciente e melhora os resultados clínicos. Ao aplicar estratégias de comunicação essas que  também estão embasadas no conhecimento científico do instituto, você estará elevando a qualidade do seu atendimento e proporcionando uma experiência de cuidado excepcional.

Comunicação e Fisiologia do Exercício

A fisiologia do exercício também desempenha um papel fundamental na comunicação efetiva e assertiva. A prática regular de exercícios físicos vem sendo associada à melhora da cognição, do humor e do bem-estar emocional. Ao se exercitar, você fortalece sua capacidade de concentração, reduz o estresse e aumenta a disposição, o que contribui para uma comunicação mais clara e positiva com os pacientes, seus clientes.

Dicas para uma Comunicação Transformadora

Agora que entendemos a importância da comunicação na área da saúde, vamos compartilhar algumas dicas práticas para revolucionar seus resultados e bem-estar:

Busque um atendimento com passos claros e definidos o Método FC – Abrace o Bem-estar nos mostra exatamente esses passos:

  1. Acolher e encantar 
  2.  Prescrever  de maneira assertiva 
  3. Comprometer-se
  4. Acompanhar

1.1 Proporcionar um ambiente acolhedor: Crie um ambiente físico e emocional acolhedor para seus pacientes. Certifique-se de que o espaço seja limpo, organizado e confortável. Além disso, promova um ambiente livre de julgamentos, onde os clientes/pacientes se sintam à vontade para compartilhar suas preocupações e desafios sem medo de serem estigmatizados.

1.2 Demonstrar empatia e compaixão: A empatia é essencial para uma comunicação efetiva. Tente se colocar no lugar do cliente/paciente, compreendendo suas experiências, desafios e sentimentos. Demonstre compaixão e valide suas emoções, criando um ambiente seguro e acolhedor.

1.3 Praticar a escuta ativa: Além de ouvir atentamente, pratique a escuta ativa. Isso significa estar presente e focado no que seu CLIENTE /paciente está comunicando, fazendo perguntas relevantes e demonstrando interesse genuíno. A escuta ativa fortalece o relacionamento terapêutico, promove a confiança e permite uma compreensão mais profunda das necessidades e desejos do mesmo.

2.1 Adaptar a linguagem não verbal: Lembre-se de que a comunicação não verbal desempenha 70% da comunicação sendo então bastante importante. Preste atenção à sua e do seu cliente/ paciente linguagem corporal, expressões faciais e tom de voz. Mantenha uma postura aberta e receptiva, faça contato visual, transmita confiança e empatia por meio de gestos sutis.

3.1  Estabelecer metas claras: Trabalhe em colaboração com o paciente para definir metas realistas e alcançáveis. Acompanhe regularmente o progresso e faça ajustes quando necessário. Ao estabelecer metas claras, você fornecerá ao seu cliente um senso de propósito e direção, aumentando sua motivação e engajamento no processo da sua prescrição.

3.2 Compartilhar informações de forma compreensível: Ao fornecer informações utilize recursos visuais, como gráficos, imagens ou vídeos, sempre que possível. Isso ajuda a transmitir informações complexas de maneira mais clara e acessível, facilitando a compreensão de maneira clara e mais concreta.

4.1 Comprometa-se com o retorno e com o acordado na sua prescrição sempre baseado no perfil comportamental do seu cliente/paciente torne esse momento cada vez mais humanizado, personalizado torne esse momento único e especial.

 Aperfeiçoar suas habilidades de comunicação: Busque constantemente aprimorar suas habilidades de comunicação por meio de educação continuada, participação em workshops e treinamentos específicos. Invista tempo e esforço no desenvolvimento dessas habilidades, pois elas são essenciais para aprimorar seus resultados profissionais e proporcionar um atendimento extraordinário.

A comunicação efetiva, ASSERTIVA na área da saúde é uma ferramenta poderosa para revolucionar seus resultados e promover o bem-estar dos CLIENTES/pacientes. Ao utilizar estratégias embasadas em dados científicos da neurociência, da fisiologia do exercício, você fortalecerá o relacionamento, melhora a adesão, obterá resultados extraordinários. Lembre-se de que a comunicação é uma habilidade que pode ser aprendida e aprimorada, e ao investir nesse aspecto, você estará transformando a vida dos seus clientes/pacientes e se destacando na área da saúde alcançando seu SUCESSO.

Promoção de saúde e qualidade de vida

Por Flávia Carvalho

A promoção de saúde e bem-estar é importante para todos, mas é especialmente crucial para aqueles que sofrem com alguma comorbidade. Quando estamos doentes, nosso corpo e mente passam por estresse e desgaste, tornando ainda mais importante cuidar da nossa saúde física, mental e nutricional. A atividade física, a alimentação saudável e a saúde mental são três pilares fundamentais para a promoção da saúde e bem-estar, e podem ajudar a aliviar os sintomas de uma doença e melhorar a qualidade de vida.

Atividade Física: A prática de exercícios físicos pode ajudar a melhorar a função cardiovascular, fortalecer o sistema imunológico e aumentar a resistência física. Além disso, a atividade física pode reduzir o estresse e a ansiedade, o que pode ser especialmente benéfico para aqueles que sofrem de uma doença crônica. É importante lembrar que a atividade física deve ser adaptada às necessidades individuais de cada pessoa e que deve ser praticada com segurança, com a orientação de um profissional de saúde.

Nutrição: Uma dieta saudável e equilibrada é essencial para a promoção da saúde e bem-estar. Uma alimentação adequada pode ajudar a melhorar a função imunológica, reduzir o risco de doenças crônicas e melhorar a qualidade de vida. É importante incluir uma variedade de alimentos nutritivos em sua dieta, como frutas, verduras, legumes, grãos integrais e proteínas magras. Se você tem uma doença, pode ser necessário adaptar sua dieta para atender às suas necessidades específicas, e é recomendável procurar a orientação de um nutricionista.

Saúde Mental: A saúde mental é tão importante quanto a saúde física. Aqueles que sofrem de uma doença podem enfrentar estresse e ansiedade adicionais, o que pode afetar sua saúde mental. É importante cuidar da sua saúde mental, seja através da meditação, yoga, terapia ou outras técnicas de gerenciamento de estresse. É importante reconhecer quando você precisa de ajuda e procurar apoio quando especializado.

Em resumo, a promoção de saúde e bem-estar pode ser especialmente importante para aqueles que sofrem de uma doença. A atividade física, a alimentação saudável e a saúde mental são três pilares fundamentais que podem ajudar a aliviar os sintomas de uma doença e melhorar a qualidade de vida. Se você tem uma doença, é importante conversar com um profissional de saúde para adaptar essas práticas às suas necessidades específicas. Lembre-se de que cuidar da sua saúde é uma jornada contínua e que pequenas mudanças podem fazer uma grande diferença ao longo do tempo.

Comente aqui o que acha de ser esse promovedor de saúde?

Saúde, Felicidade e Economia do Bem-Estar

Por Flávia Carvalho

Você já parou para pensar em como a saúde, a felicidade e a economia do bem-estar estão interligadas? O Global Wellness Institute (GWI) e um dos principais autores e estatísticas do Relatório Mundial de Felicidade da ONU realizaram uma colaboração para analisar essa relação e os resultados são surpreendentes.

A saúde e a felicidade são valores universais e são elementos importantes para uma vida plena e satisfatória. A economia do bem-estar se concentra no desenvolvimento e crescimento econômico com base no bem-estar humano e na qualidade de vida. A relação entre saúde, felicidade e economia do bem-estar é complexa e pode ter implicações significativas em muitos aspectos da vida das pessoas. A colaboração entre o Global Wellness Institute (GWI) e um dos principais autores e estatísticas do Relatório Mundial de Felicidade da ONU fornece uma análise empírica dessa relação.

Relação entre gastos com bem-estar, morte e felicidade

A análise empírica mostra uma forte relação entre o bem-estar, a felicidade e a saúde. A pesquisa também identificou que os gastos em muitos conjuntos individuais estão correlacionados com a felicidade e os resultados do bem-estar. Os resultados sugerem que a promoção do bem-estar é fundamental para melhorar a qualidade de vida da população e pode ter um impacto significativo na economia.

No entanto, para entender a relação entre saúde, felicidade e economia do bem-estar, é importante considerar outros fatores, como o controle de armas de fogo, a confusão com a riqueza, o tamanho da população e as diferenças regionais e temporais. Por exemplo, países com taxas mais baixas de violência armada tendem a ter uma maior sensação de segurança e, portanto, maior felicidade e bem-estar. Da mesma forma, a desigualdade de renda pode afetar a felicidade e o bem-estar das pessoas.

Série de políticas de bem-estar

Com base nos resultados da análise empírica, é importante implementar uma série de políticas de bem-estar que priorizem o investimento em saúde, educação, habitação e meio ambiente. O investimento em saúde deve incluir acesso a serviços de saúde de qualidade, promoção de hábitos saudáveis ​​e prevenção de doenças. A educação de qualidade é fundamental para o desenvolvimento pessoal e profissional e contribui para uma vida feliz e saudável. A habitação adequada é essencial para garantir um ambiente saudável e seguro para os indivíduos e suas famílias. E, por fim, o investimento em meio ambiente significa garantir que o ar, a água e a terra sejam limpos e seguros para todos os habitantes do planeta.

No entanto, a implementação dessas políticas de bem-estar requer uma abordagem multidisciplinar e envolvimento de diferentes setores da sociedade. Políticas públicas e ações governamentais podem ser cruciais para garantir que essas políticas sejam implementadas com sucesso. A colaboração entre o setor público e privado também pode ser fundamental para garantir que as políticas de bem-estar sejam eficazes e sustentáveis ​​a longo prazo.

E, por fim,  a análise empírica da relação entre saúde, felicidade e economia,  mostra que investir em meio ambiente significa garantir que o ar, a água e a terra sejam limpos e seguros para todos os habitantes do planeta.

Essa pesquisa mostra que a saúde, a felicidade e a economia do bem-estar estão interligadas e que investir em políticas de bem-estar pode ter um impacto significativo na qualidade de vida da população. É hora de priorizar o bem-estar e implementar políticas que promovam a saúde, a educação, a habitação e o meio ambiente para garantir um futuro melhor para todos.

Acesse a pesquisa completa.